proTEJO preocupado com o “Alqueva do Ribatejo”

(Publicado em: 21 Março, 2018)

Opinião/Reflexão – ​proTEJO – Movimento Pelo Tejo

O proTEJO tem vindo a acompanhar as notícias que surgiram desde fevereiro sobre um novo conjunto de projetos destinados à bacia do Tejo e apelidados de “Alqueva do Tejo”, os quais, segundo divulgado, serão apresentados hoje ao Senhor Presidente da República.

De acordo com essas mesmas notícias o “Projeto Tejo – Aproveitamento Hidráulico de Fins Múltiplos do Tejo e Oeste”, prevê “(…)  um investimento de €4,5 mil milhões para a criação de um empreendimento de regadio a 30 anos e que tornará o Tejo navegável entre Lisboa e Abrantes.”

Com este projeto, cuja racionalidade económica é desconhecida, os problemas estruturais do Tejo avolumar-se-ão num momento em que a sua resolução deveria ser a prioridade.

A construção de barreiras, como açudes e barragens, promove a alteração da dinâmica sedimentar – as areias não recarregam a nossa linha de costa; agrava problemas de poluição da água; e ainda dificulta a migração de peixes.

Todos estes problemas existem atualmente e têm sido noticiados, mas serão agravados com a construção dos 7 novos açudes de Vila Franca de Xira até Abrantes, formando 7 novos charcos de água que representarão um rio Tejo morto que deixou de ser um rio livre e com dinâmica fluvial.

Este novo projeto parece não seguir os passos expectáveis. A informação sobre as suas características não está disponível ao público, nem existe um processo de avaliação de impactes ambientais junto da Agência Portuguesa do Ambiente. Não está anunciado qualquer procedimento de discussão pública, nem justificadas – qualitativa e quantitativamente – as razões que justificam esta obra.

Também não existe justificação para as populações do Tejo continuarem a ser ignoradas, sem acesso à informação e estarem no cerne de decisões políticas que se pautam pela falta de transparência.

Lamentamos que o Senhor Presidente da República esteja de portas abertas para um projeto que surge de forma tão pouco transparente, aceitando receber numa reunião o anúncio de um conjunto de infraestruturas com impactes ecológicos negativos para o rio Tejo. Lamentamos igualmente que não tenha tido a mesma disponibilidade para se deslocar em apoio da defesa do Tejo quando dos episódios de poluição extrema que se verificaram no mês de janeiro deste ano causado pela indústria das celuloses.

Ainda está a tempo de despertar Senhor Presidente da República!

O Tejo merece!

Bacia do Tejo, 21 de março de 2018

Ana Brazão, José Moura e Paulo Constantino

(Os porta-vozes do proTEJO)