Sociedade Ana Mesquita Julho 6, 2022 (Comments off) (531)

Acumuladora de animais que fugiu do Cartaxo acaba condenada

Recorda-se do resgate de mais de 100 animais de um anexo de oito metros quadrados na Lapa, Cartaxo? Dezasseis anos depois, a presidente da Associação Colina do Lapão, Maria Antónia Lisboa, acaba condenada pelo tribunal de Vila Franca de Xira a quatro anos de pena suspensa por maus-tratos a animais de companhia em Arruda dos Vinhos, distrito de Lisboa. Uma pena inédita ao nível do bem-estar animal. A situação remonta a 2019, ano em que o Ministério Público coordenou a operação de resgate.

Em 2006, a acumuladora, a residir na Lapa, viu os seus 120 gatos serem levados por um grupo de cidadãos anónimos que se queixavam do cheiro e do barulho. Seguiu-se a tentativa de resgatar os mais de 30 cães. Noite dentro, dezenas de populares mantiveram-se às portas do anexo, para não deixar Maria Antónia fugir com os animais.

Mas foi na manhã seguinte, após uma falha de meia hora na vigília, que a mulher decidiu colocar os mais de 30 cães dentro de um Cintröen C3. Com os focinhos atados, alguns acabaram mesmo por não resistir, situação descrita pela CNN.

Foram os esforços da Ação Animal e da Associação de Proteção dos Animais Abandonados do Cartaxo (APAAC) que impediram Maria Antónia de seguir viagem, tendo os animais ficado, depois de muita insistência, ao cuidado da APAAC.

APAAC e IRA aplaudem a condenação nas redes sociais, sendo que o IRA ficará com a quinta onde se situava a Associação, resultado da maior proposta em leilão, após penhora.