Opinião/2022 Joaquim Palmela Setembro 18, 2022 (Comments off) (274)

Opinião – Beijinho, Marta

Gosto de quem se emociona no exercício das funções. Gente que chora, ri e se irrita, que pede desculpa quando se engana ou exagera na ação ou reação. A Marta, que não conhecia de lado algum antes de ser Ministra, é uma dessas pessoas. E teve de carregar um fardo, naturalmente já demasiado pesado. A História e as histórias assim o retratam. Um fardo que, nos últimos três anos, foi exageradamente sobrecarregado por razões naturais, à escala global, com uma inesperada pandemia e, à escala local, com uma pressão corporativa (in)explicável.

Não é o Serviço Nacional de Saúde que quero abordar, muito menos o papel do estado, dos privados ou do terceiro setor no sistema nacional de saúde. Quero é falar sobre esta inquietação que me persegue sempre que ouço uma “lapalissada” nas análises políticas, na intervenção pública, que apenas se limita ao óbvio do momento, e/ou na plateia à qual se dirigem, mergulhada nos “achismos” de uns e outros. 

Portanto: o que quero é irritar-me com os hipócritas que, hoje, dizem que a demissão não resolve nada, mas que, ontem, consideravam ser a salvação da política pública. O que quero é denunciar os cínicos que louvam um opositor que diz “as verdades” e censuram um governante que responde “à letra”.

Bem sei que nunca se deve ir contra “a bolha mediática”. As últimas legislativas foram a melhor demonstração disso mesmo. Mas hoje apetece-me agradecer à Marta Temido pelo que fez, ao SNS, e pelo que não fez, às corporações. Custou-lhe o lugar, mas a maior certeza que temos é mesmo essa: é sempre de passagem que estamos nos lugares.

Opinião – Nuno Antão, autarca em Salvaterra de Magos desde 1993. Assessor de Comunicação «Comunicar é dividir alguma coisa com alguém».