Opinião/2022 Joaquim Palmela Maio 4, 2022 (Comments off) (121)

Opinião – É o caminho mais longo que temos de percorrer.

O fim da guerra, de todas guerras, e a desnuclearização nas nações – é isso que tem de nos inspirar e motivar. É no multilateralismo que temos de convergir, certos de que o planeta que temos disponível para viver é apenas este. Por isso, é este que temos de proteger, é com todos estes vizinhos que temos de saber viver.

É pela bondade do argumento, pela demonstração prática do bom senso e pela beleza da tolerância que a Europa tem de continuar a desenvolver-se e a aumentar os padrões de qualidade de vida. O nosso continente tem de ser uma terra de oportunidade, de igualdade, de liberdade. A simples ideia de termos um nível mais elevado de militarização da Europa, quiçá com um exército único, representa um exercício doloroso e faz com que nos sintamos à beira do precipício. Contudo, em vez de pararmos ou recuarmos, diria que estamos com vontade de dar um passo em frente.

Pode parecer o caminho mais fácil, mais curto… Mas atalhar caminho é negar princípios basilares, é deixar, aos nossos filhos e netos, bunkers de medo em vez de jardins de liberdade. O caminho no sentido oposto é difícil, implica muitas cedências e doses abundantes de tolerância. Pois é, mas a alternativa é a inaceitável extinção do ser humano.

Sonhador? No dia em que perder essa capacidade, deixarei de saber ser eu. E tu? Estás disponível para deixar de ser?

Opinião – Nuno Mário Antão

Salvaterra de Magos, 4 de maio de 2022