Destaque Opinião/2022 Joaquim Palmela Maio 26, 2022 (Comments off) (222)

Opinião – Ensinança

Há dias, um grande Amigo e Colega, já aposentado e que fez um percurso docente invejável (diga-se, em abono da verdade) publicava no seu Facebook, uma imagem e respetiva opinião sobre a prática dos exames.

Eu também acho que se trata de uma atividade muito próxima da lotaria, apenas justificável por uma prática ancestral que de avaliação tem muito pouco, servindo apenas para a classificação dos jovens, seriando a sua progressão no sistema de ensino.

Polémica interessante, ciclicamente trazida à liça nesta época, com a aproximação dos exames nacionais e das provas de aferição, mas onde apenas deveriam entrar psicólogos, sociólogos, pedagogos…

A «debate» diferente temos vindo a assistir: as posições das escolas nos “rankings” … e há para todas as conveniências – nacionais, distritais… e até locais! O que me interessa é que eu tenho a p… maior que a tua!!

Voltemos à «ensinança» que aos “rankings” estamos para breve, certamente.

Sem querer ser totalitário, as opiniões do «senso comum», nesta matéria onde me envolvo há 42 anos, não me interessam para nada…

Deixo aqui dois desafios (apenas): serão os meus leitores capazes

1. De efetuar, sem o recurso à calculadora do seu telemóvel a operação 1795 : 8,2 ?

2. De “reduzir” 24,87 hm3 a dm3?

3. De concretizar a operação 2/9 : 8 ?

4. E finalmente, ler o número 824,693, por ordens?

Espero que sim, seria uma vergonha, porquanto os meus alunos de 9 anos de idade, são obrigados a saber!

A avaliação por «provas» é a ponta do iceberg, onde cabe a “ensinança”: o desajustamento dos programas escolares aos estadios do desenvolvimento (psicológico e social) infanto-juvenil.

E a falta de coragem de quem governa esta “ensinança”, para acabar com este fado…

Para nos admirarmos, entretanto, com a prática e divulgação, repetidas, de imagens de sexo juvenil em grupo, nas redes, como noticiado há dias na imprensa local!

Pormenores da sociabilidade que alimentamos, numa sociedade onde há mais psicólogos numa cadeia do que numa escola, relegando a prevenção para as calendas da remediação.

Já agora, mesmo só para acabar: serão os leitores capazes de «determinar na forma de dízima, o quociente, com aproximação às centésimas de 22/9»?

Não! Pois neste universo da educação pela competição, os meus alunos são muito melhores do que os meus leitores!!

Nota final: os exercícios sugeridos foram retirados de um caderno de exercícios do 4º ano de escolaridade.

Opinião – Mário Júlio: Professor do 1º ciclo no Agrupamento D. Sancho I, Pontével e dirigente associativo dedicado ao Teatro