Opinião – La Salette Marques, Vivemos tempos inesperados, angustiantes e tristes

Publicado em 16 Jun 2020
Comment: Off

É com muito gosto que regresso à companhia dos ouvintes e leitores da Tejo Rádio e Jornal e não posso deixar de agradecer o espaço que me foi concedido para, convosco, todas as semanas, refletir sobre grandes e pequenas questões que fazem o nosso quotidiano coletivo.

Quero dedicar este primeiro espaço a um tema que está na cabeça de toda a gente, que entrou na nossa rotina e tão cedo não vai sair: a pandemia.

Vivemos tempos inesperados, angustiantes e tristes para muitas pessoas; tempos desafiantes para outras… Mas temos a certeza de que foram tempos históricos, que deixaram marcas que vão demorar muito a esbater-se. Estamos ainda dentro dessa janela temporal, com hábitos alterados e cuidados redobrados para evitar o contágio. Estamos ainda a descobrir a real dimensão dos estragos que a Covid-19 provoca na saúde, na economia, na sociedade e nas vidas de todos nós. Parte da herança da Covid-19 está já a descoberto:

Um ano letivo atípico, com alunos em casa e ensino à distância; famílias com quebras de rendimento que as colocam no limiar da pobreza; desemprego aumentado; empresas em rutura financeira… Para além de termos setores inteiros devastados, como é o caso do Turismo. Sem falarmos da maior perda de todas, a das vidas ceifadas pela doença.

Cabe-nos agora a tarefa de recuperar. Precisamos de dar passos seguros e o primeiro deles é uma espécie de “passo psicológico”: é necessário que nos recentremos, que avaliemos bem as nossas prioridades e quais as nossas reais necessidades. Esta pandemia deixou a nu a triste realidade da nossa atitude predatória perante um planeta generoso, mas mostrou-nos que é possível recuperarmos a nossa dignidade enquanto Humanidade, convivendo de forma mais saudável com a Natureza. O planeta recuperou e nós ficámos a saber que podemos viver com menos: menos viagens, menos consumo, menos desperdício e menos poluição.

Teremos agora de encontrar formas de rentabilizar o digital e de construir novas carreiras, criando novas oportunidades.

Tudo isso vai demorar o seu tempo, e tudo devemos fazer para seguir esse percurso, que nos posicionará melhor para o combate às alterações climáticas e para atingirmos uma sociedade mais desenvolvida, com melhor qualidade de vida, com hábitos mais sustentáveis. Será um trabalho coletivo de enorme dimensão, a que é urgente dar início.

E podemos iniciá-lo já, cada um de nós, agora. Como? Promovendo uma simples mudança de hábitos, dando corpo às ideias que fomos escrevendo nas redes sociais durante o confinamento. Nessa altura, estávamos todos disponíveis para agradecer a quem nos levou os alimentos à porta de casa, a quem cuidou da nossa saúde, a que nos acudiu na aflição. Fizemos o que nos competia: agradecemos e valorizámos, dissemos que percebemos que temos de nos apoiar e que temos de regressar a hábitos antigos. Pois bem, agora é o tempo de nos lembrarmos do que dissemos e de voltarmos a esses tais hábitos: cozinhar mais em casa, fazer compras nas lojas da vizinhança, dar um passeio ao final do dia, ajudar quem precisa, apostar na produção nacional, abrandar o ritmo e cuidar da família. E não esquecer de dizer obrigada.

A mudança faz-se por aqui, com um apelo à nossa própria consciência e ao nosso bairrismo, procurando fortalecer a nossa comunidade e participar nela, com a certeza de que ela está lá para nós. E está mesmo!

A nossa região precisa de impulso e esse impulso só pode ser dado por nós, os cidadãos que nela vivemos e que a conhecemos melhor do que ninguém. Este é o tempo de mantermos as mãos dadas e de nos apoiarmos, fortalecendo o nosso comércio, os nossos serviços e a nossa produção. É o tempo de nos orgulharmos das nossas raízes e de planearmos um futuro melhor para os nossos filhos, aproveitando a lição de vida que recebemos.

Precisamos de um projeto coletivo e mobilizador que nos motive. Vamos construí-lo. Todos juntos. Para a semana, cá estaremos. Talvez menos otimista. Ou talvez mais. Mas seguramente com uma mensagem de confiança naquilo que somos capazes de fazer!
— 
16-06-2020 La Salette Marques, Consultora de Comunicação e Autarca na Assembleia Municipal do Cartaxo.

Noticias relacionadas