Opinião/2022 Joaquim Palmela Março 16, 2022 (Comments off) (188)

Opinião – Mário Reis – A GUERRA

Ando às voltas com esta «crónica» há uns dias.

Consulto jornais, notícias on-line, comentadores de diversos quadrantes, vejo os telejornais, falo com algumas pessoas e até já estive presente em manifestações, vigílias e debates.

“A gente” anda sempre à procura de um bode expiatório… eu ainda não encontrei o “culpado”. Só encontrei a vítima, as vítimas, os milhões de vítimas.

Do Zimbabué à Coreia, do Irão à Bolívia, do Iraque a Moçambique, da Croácia agora à Ucrânia: os “responsáveis” continuam sentados nas suas poltronas, rodeados de luxo, amigos íntimos e dali alimentam os oligarcas que os mantêm no poder.

Claro que sou contra a guerra, mais, sou contra a violência! Todas as guerras, todas as violências!

Mulheres sírias, jovens afegãos, crianças angolanas, idosos biafrenses, até animais e plantas, e a arte e o trabalho: vítimas de um holocausto (assim: com inicial minúscula – é, para mim, o retrato mais ilustrativo para todas as guerras) que alimenta o ego de muitos e as contas bancárias de muitos outros, que já têm muito.

A guerra é uma atividade desencadeada por “velhos” que se conhecem bem, onde jovens desconhecidos se ferem e matam uns aos outros.

Talvez ainda não tenha saído do meu Woodstock da política, mas por agora só consigo terminar com um provérbio de «opensador.pt»

«Só quando um mosquito poisa nos teus testículos, percebes que nem tudo na vida se resolve com violência».

Saúde e paz, é o que vos desejo.

Opinião – Mário Júlio Reis

Mário Júlio: Professor do 1º ciclo no Agrupamento D. Sancho I, Pontével

Dirigente associativo dedicado ao Teatro