Roadshow Portugal Global em Santarém

Ricardo Gonçalves, Presidente da Câmara de Santarém, referiu, na abertura do Roadshow Portugal Global, que está a decorrer em Santarém, que espera que os novos fundos comunitários do “Portugal 2020, permitam implementar muitos negócios em Santarém”, tendo em conta que esta região, “é muito heterogénea, o que nos permite alavancar muitos empreendimentos”.

O Presidente da autarquia Scalabitana regozija-se por ter na região de Santarém, o Agrocluster do Ribatejo, que assume um papel de intermediário entre a sociedade e o tecido empresarial do sector agroindustrial, na medida em que tem como missão um reforço da capacidade produtiva das empresas, e acrescentou ainda que o Agrocluster, para além de ser “uma referência nacional, podemos mesmo dizer que é ibérica”.

Maria Salomé Rafael, Presidente da Direção da NERSANT, enalteceu o carácter exportador das empresas da região de Santarém, lembrando que “as exportações têm vindo a acentuar-se, apesar das dificuldades”.

Miguel Frasquilho, Presidente da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, defendeu que “Portugal precisa de aumentar o peso das exportações no PIB” e o sector agroalimentar de Santarém tem margem para crescer internacionalmente”, defendeu.

Santarém é a segunda Cidade a receber a edição de 2016 do Roadshow Portugal Global, organizada pela AICEP Portugal Global – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E, em parceria com a Câmara de Santarém.

Nesta edição do Roadshow Portugal Global, a organização selecionou 6 regiões de elevado potencial de internacionalização com uma nova proposta de valor: Cooperação e Competição – chave para a competitividade nos Mercados Externos.

 

  1. Nelson do Nascimento Reply

    Exmos Senhores
    Em meu nome pessoal e da empresa que represento Globalog Transitários S.A, tivemos assim o privilegio de ter sido convidados e pelo facto , cuja gratidão aqui queremos manifestar.
    Estes certames revestem-se sempre da maior importância para os vários agentes económicos nacionais e até internacionais, de forma esclarecedora todos os intervenientes puderam colocar na balança de oportunidades as vantagens e desvantagens de alguns mercados, neste caso em particular o mercado “Holandês”
    Tivemos também a oportunidade de verificar a excelência da atividade da “NERSAN” na região do Ribatejo para o conhecimento mais aprofundado das empresas exportadoras desta região, que em abono da verdade foi uma agradável surpresa.
    Mais uma vez ficou demonstrado que os círculos das ditas “crises”, podem efetivamente ser estas impulsionadoras de fatores de dinamismo crescente face ao que de comodo e adormecimento implica por vezes os louros conquistados anteriormente!
    Muito caminho ainda haverá por percorrer, consubstanciado na sua grande maioria pelo tecido empresarial nacional ser formado por micros, pequenas e medias empresas, com a agravante do empresariado nacional ser pouco cooperativista , em certa medida vai resistindo aos chamados “Clusters” por razões até de âmbito cultural, fechado muitas vezes sobre si próprio e vendo na concorrência o “inimigo”. Acredito que no tempo e na geração do novo empreendedorismo neste mundo global onde já nada ou quase nada é segredo, e com iniciativas destas sempre cada vez mais crescentes , sendo que o fator de divulgação massiva das mesmas será primordial para chamar a estes eventos , os titulares do conhecimento, a oportunidade, a inovação, os desafios, e assim por esta via podermos acalentar uma nova esperança no fator desenvolvimento em beneficio das sociedades.

    Bem hajam
    Melhores cumprimentos
    Nelson do Nascimento

Deixe um Comentario

*